Pesquisa mostra que 78% das lojas virtuais fazem planos específicos para a Black Friday

  • Escrito por em

Os anunciantes da Awin apresentaram números impactantes na Black Friday 2016. Ao todo, essas empresas faturaram R$ 65,7 milhões em vendas no Brasil, em mais de 150 mil vendas.

Compartilhe

Dos 20 maiores e-commerces do país, 17 anunciam com a Awin. Além destes, atendemos mais 300 lojas virtuais relevantes, as conectando aos milhares de afiliados da plataforma no Brasil. Uma pesquisa da Awin com seus anunciantes mostra que a esmagadora maioria das lojas virtuais já se prepara com antecedência e faz planos específicos para a Black Friday, indicando que o feriado de compras, importado dos Estados Unidos em 2010, já se tornou uma realidade para o e-commerce nacional.

Na edição do ano passado da Black Friday, o e-commerce nacional registrou R$ 1,9 bilhão em vendas, aumento de 17% em relação a 2015. Números são do Ebit, que divulgou que durante o dia de descontos, os consumidores brasileiros fizeram 2,23 milhões de pedidos, uma alta de 5% na comparação com o ano anterior. No entanto, resultados ficaram abaixo da previsão da própria empresa, que projetava pelo menos R$ 2,1 bilhões em vendas.

Ao contrário do resultado geral do e-commerce nacional, abaixo do esperado, os anunciantes que são clientes da Awin apresentaram números impactantes. Ao todo, essas empresas faturaram R$ 65,7 milhões em vendas no Brasil, em mais de 150 mil vendas. Para se ter uma ideia, a plataforma da empresa registrou um pico de vendas logo na primeira hora, período em que um só varejista conseguiu concluir 1,1 mil vendas. Em todo o mundo, a Awin apresentou crescimento de 51% na receita de vendas, atingindo 117 milhões de euros no total.

Anunciantes

De uma forma geral, os grandes varejistas online lideraram em volume de vendas. Entre os grandes do varejo que são parceiros da Awin, o faturamento foi incrementado em 30 vezes, na comparação com um dia normal. Segmento relevante em vendas no e-commerce nacional, o setor de moda foi outro destaque da edição 2016. Os clientes da Awin que comercializam produtos de moda e esportes registraram um faturamento 14 vezes maior do que em dias normais. Outro setor que apresentou variação positiva foi o de beleza e cosmética, cujas lojas virtuais venderam 12 vezes mais.

Um setor que prometia apresentar um bom resultado e que de fato o fez foi o de drogarias, que faturou 18 vezes mais. Já o de viagens, apresentou crescimento mais tímido, sendo quatro vezes superior ao faturamento do setor em dias normais.
Mais da metade dos anunciantes da Awin no Brasil são lojas de departamento, com 56% das vendas sendo feitas por elas. Em segundo lugar no ranking de quem mais vende, estão as varejistas de produtos eletrônicos, com 15% de todas as vendas, seguidos das lojas que comercializam roupas, com 6% do total.

Afiliados

Do ponto de vista dos afiliados, o modelo mais usado para alavancar as vendas dos anunciantes foram os códigos de desconto, responsáveis por 34% de todas as vendas, seguido pelo cashback (reembolso), com 24%, e pelo retargeting (modelo que busca impactar o usuário baseando-se nos cookies de navegação), com 12%. O marketing de conteúdo vem logo atrás, sendo responsável por 7,1% das conversões via afiliados entre os clientes da Awin.

Entre os afiliados que apresentaram resultados expressivos, vale destaque para o Manual Homem Moderno, que apresentou promoções em tempo real no Facebook, atingindo 15 mil cliques e 40 vendas. Outro parceiro cujo resultado salta aos olhos foi a Méliuz que, por meio do modelo de supercashback, propiciou aos consumidores descontos de até 85%.