Awin Thoughts: 'Infodemia' do Coronavírus destaca a importância da confiança e da transparência online

  • Escrito por
  • .

Há uma abundância de informações na internet e com o surto do Coronavírus, isso criou uma 'infodemia' com fontes de notícias questionáveis.

Partilhar

"O surto e a resposta ao 2019-nCoV tem sido acompanhado por uma enorme 'infodemia' - uma superabundância de informações - algumas precisas e outras não - que torna difícil para as pessoas encontrarem fontes confiáveis e orientação confiável quando precisam". Organização Mundial da Saúde - Relatório da Situação do Coronavírus – 13

Retire a referência da OMS ao coronavírus e você tem, em resumo, um dos maiores dilemas que a escala e o alcance da web trouxeram à tona ao longo da última década. Uma superabundância de informações e uma falta de fontes confiáveis e seguras. O vírus só decorou o problema com um novo senso de urgência.

Desde teorias de conspiração não substanciadas em torno da origem do vírus como arma bioquímica chinesa, até conselhos especulativos de que comer alho pode ajudar a prevenir a infecção, o moinho de rumores da internet está atualmente a todo vapor.

Enquanto muitos de nós podemos rir dessas histórias incrédulas, os efeitos da histeria em massa são sérios. O medo do público é palpável e evidente na mudança dos padrões de consumo. A esta altura todos nós já estamos familiarizados com histórias de máscara facial, álcool em gel e escassez de rolos de papel higiênico. 

A última análise da Awin sobre o mercado de viagens no Reino Unido destacou outro exemplo do efeito que o pânico tem tido sobre as tendências de reservas.

Embora o ano tenha começado fortemente para o setor de viagens com as vendas subindo 22% em relação ao ano anterior, no início de março isto havia caído para um recuo de 12% nas reservas para o mesmo período em 2019. Não é de se esperar, dadas as notícias que temos visto regularmente em torno de colapsos de companhias aéreas, proibições regionais de viagens e novos surtos. 

O mais interessante, no entanto, é sobrepor essa queda nas vendas de reservas com o aumento que temos presenciado simultaneamente no seguro de viagem. As duas se espelham inversamente quase que totalmente. Na verdade, o seguro caiu 18% em janeiro e desde então se recuperou, apresentando um aumento de 9% em relação ao início de março, à medida que os turistas procuram proteger seus investimentos.

O aumento tornou-se tão forte que muitas seguradoras estão agora anunciando um congelamento das novas políticas.

Embora não seja uma causa direta das tendências que acompanhamos, muitos compradores do Reino Unido vão ter seguido os conselhos de Martin Lewis, campeão de consumo e uma das personalidades mais influentes para os compradores experientes. Seu site, Money Saving Expert (MSE), tem sido reconhecido há muito tempo como uma fonte de aconselhamento ao consumidor de confiança. Falando recentemente sobre as consequências do coronavírus na televisão nacional, ele incentivou os turistas do Reino Unido a garantir que eles tivessem seguro para suas férias.

O MSE também é um site afiliado de grande sucesso, gerando milhões de libras em receitas para seus parceiros anunciantes. No entanto, acima de tudo, é um veículo de confiança. Suas opiniões e artigos são frequentemente procurados por consumidores que precisam de assistência antes de comprar um produto online. Qualquer compromisso com essa autoridade necessariamente prejudica a sua marca e o valor do usuário.

Como você monetiza efetivamente um site (sem paywalls, por sinal) que se orgulha de sua imparcialidade e opiniões confiáveis? A MSE faz isso por ser transparente quanto à sua monetização e se destaca entre os sites afiliados por ser particularmente explícita na forma como sinaliza parcerias comerciais aos seus usuários. 

Ao fazer isso, o site garante que seus usuários estejam cientes de como ganha seu dinheiro e onde os links comerciais são apresentados, preservando assim seu status como uma fonte confiável de informações seguras.

Recentemente, este dilema tem sido um tema de destaque na indústria de afiliados. Autoridades reguladoras em todo o mundo, incluindo a ASA no Reino Unido, a FTC nos EUA e a Deutscher Werberat na Alemanha, têm investigado e penalizado cada vez mais os casos em que os influenciadores e afiliados não têm cumprido seus padrões de divulgação de publicidade. 

Recentemente ajudei a organizar um dia dedicado à estratégia no escritório da Awin em Londres para os afiliados, a fim de fornecer-lhes orientação e apoio na implementação de estratégias de afiliados. Um dos temas-chave que foi discutido repetidamente ao longo do evento foi como divulgar links comerciais em conteúdo. 

Sites de grandes afiliados como esses estão cada vez mais se voltando para o nosso canal como um meio de diversificar e aumentar suas próprias receitas. Ainda na semana passada, o CEO da Buzzfeed Jonah Peretti estava exaltando as virtudes do afiliado como um fator de contribuição para sua mudança para a lucratividade.

Para que a indústria de afiliados possa realmente capitalizar esse aumento de interesse em seu modelo de desempenho por parte de empresas afiliadas tão grandes, é preciso que nós assumamos a liderança em questões como a divulgação de anúncios. Ao fazer isso, podemos ajudar a garantir que os usuários continuem a ter fé nos serviços online a que se referem para informação e orientação. 

Duas décadas após Bill Gates ter cunhado pela primeira vez a frase 'conteúdo é rei', a atual batalha 'infodêmica' da OMS deixa claro que não é nada sem confiança e transparência.

Partilhar