Como o iPhone XR salvou a Apple

  • Escrito por

O evento anual de setembro da Apple nos apresentou à nova linha de iPhones; o iPhone 11, 11 Pro e 11 Pro Max.

Compartilhe

O evento que marcou o abandono da confusa nomenclatura X, XS e XR que, para a grande tristeza do time de marketing da Apple, é comumente referida como a letra X ao invés de “dez”. Embora possa ter parecido que a nomenclatura é um presente para consumidores confusos, nossos dados sugerem que a Apple está redefinindo sua estratégia em resposta à demanda dos consumidores. Tim Cook mencionou que o iPhone XR foi o iPhone mais vendido de todos os tempos. Vamos examinar como a tendência realmente era.

Se voltarmos para 2017, houve um grande buzz antes do anúncio de que a Apple iria redefinir o iPhone, despedindo-se do icônico design para um quase sem botões. A Apple iria definir o novo padrão da indústria. No evento, a Apple anunciou o iPhone 8, que era um upgrade muito pequeno do iPhone 7. No entanto, a verdadeira estrela da noite foi o iPhone X, o novo ambicioso design da Apple para a próxima geração de smartphones. O preço do iPhone X, o chamado futuro dos celulares, era em torno de 7 mil reais. Para ter uma ideia, o iPhone 8 custava em torno de 4 mil reais e o Galaxy S9, concorrente mais próximo do iPhone X, não chegava nem a 5 mil. Havia claramente a crença de que o hype faria com que o iPhone X fosse um best-seller, um que fosse capaz de transformar um mercado de smartphones relativamente estagnado.

Embora o celular fosse muito desejado com seu novo visual ousado, Face ID e Animojis, parecia que o preço era demais para o consumidor. Olhando para nossos dados que vão até janeiro de 2018, eles mostram que apenas quatro meses após o lançamento, o iPhone X foi consistentemente derrotado pelos estilos mais baratos e antigos dos iPhones 7 e 8.

No ano passado, o evento da Apple apresentou ao mundo os iPhones X melhorados, o iPhone XS e o XS Max. No entanto, o grande destaque do evento foi o iPhone XR. Esse dispositivo foi a opção mais econômica, com uma tela LCD mais barata em relação ao OLED do XS, uma câmera a menos e um design mais robusto, menos refinado.

Naturalmente, qualquer um acharia que o XS teria tido o maior lançamento como o produto “principal”. A Apple é famosa por usar estratégias que direcionam as pessoas ao produto do meio, que nesse cenário era o XS. Enquanto nossos dados mostram um lançamento bastante saudável para o XS, o lançamento do XR no mês seguinte foi +146% vezes maior. Parecia que para o consumidor médio a economia de preço valia a pena a perda de recursos, e o iPhone XR parecia a parte de um novo iPhone e isso era o que mais importava para os usuários.

Dentro do mercado a diversidade tem crescido com alguns fabricantes chineses lançando os “flagship killers” de 3 mil reais ou menos. Junte isso com as táticas de marketing agressivas do Google e da Samsung contra o iPhone, e qualquer um esperaria ver o share da Apple diminuir.

No entanto, após seu lançamento, o iPhone XR continuou a ser o mais vendido não só no mercado de iPhone, mas entre todos os aparelhos vendidos através da rede. Nosso olhar sobre os principais fabricantes de celulares em 2018, no entanto, os dados até hoje mostram que a participação da Apple cresceu mesmo apesar dos ganhos de empresas como a Huawei e a Google. Acreditamos que os dados mostram que o iPhone XR é a única razão pra isso. Você poderia dizer que o iPhone XR salvou a Apple.

Assim, olhando para os dias de hoje, não é surpreendente que a Apple tenha definido o sucessor do iPhone XR como seu novo celular padrão. Isso mostra o reconhecimento de que o consumidor médio não entende inteiramente o que é uma tela OLED, e por que vale a pena pagar uma diferença equivalente a uma estadia de uma noite em um hotel 5 estrelas. O XR tem sido um lembrete de que os consumidores do mercado de massa ainda estão conscientes do preço, mesmo que para produtos da Apple. O fato de uma marca tão poderosa e valiosa quanto a Apple não ter sido capaz de convencer os consumidores a optar por um produto de maior qualidade mostra o desafio da educação do consumidor nos setores de tecnologia e telecomunicações. Com isso em mente, será interessante ver se a indústria será capaz de direcionar os consumidores aos seus produtos premium, particularmente com o atual lançamento da tecnologia 5G.

Rumores já estão sendo espalhados a respeito de um iPhone barato no início de 2020 e, se ele realmente for lançado, será interessante ver se trará mais clientes para o ecossistema da Apple e como afetará o mercado diversificado do Android.

Artigos Relacionados