Turn the Talk foca na diversidade de palestrantes

  • Escrito por

A falta de diversidade dos apresentadores e o medo de falar em público acabam sendo listados como grandes barreiras da atualidade.

Compartilhe

Os anunciantes que operam na área têm uma vasta lista de afiliados com quem podem fazer parcerias, variando entre modelos de afiliação e conectando-os com uma variedade de públicos consumidores em toda a internet. Sites de comparação, influenciadores de mídias sociais, blogueiros, sites de notícias, a escolha é infinita. 

No entanto, embora o lado operacional da indústria ser muito diverso, essa mesma característica não se estende necessariamente à sua face pública. Nos últimos meses, os eventos e conferências da indústria têm enfrentado acusações de que os principais palestrantes e a maioria dos que aparecem no palco, não representam com precisão a diversidade da indústria de performance.

Provavelmente, as interações do público em eventos, em Q&A e Sli.do, desempenharam um importante papel em relação a essa questão. Agora os participantes podem fazer perguntas anonimamente, além de poder votar nas perguntas que quiserem que sejam respondidas. Esse formato incentivou um melhor envolvimento do público e permitiu que a audiência ditasse a direção da palestra. Questionar a diversidade de palestrantes no palco tem sido algo comum em muitos eventos e conferências. 

No início desse ano, no Reino Unido, foi lançada uma nova iniciativa chamada Turn the Talk. As agências Connected Path e Acceleration Partners, realizaram uma pesquisa direcionada a profissionais da indústria para descobrir o quão representativos esses eventos eram aos seus olhos e quais eram as barreiras percebidas.

A confiança em falar em público foi uma das barreiras citadas pelos entrevistados, com mais de um terço das pessoas declarando que recusam a oportunidade de falar devido ao nervosismo. Isso não é incomum. Estudos mostram que falar em público, é um dos fatores mais temidos pelas pessoas, e aparece apenas atrás da morte.

No entanto, é uma resposta natural. Tendo me apresentado em várias conferências da indústria ao longo dos últimos dois anos, eu posso pessoalmente atestar ser atormentado pelo nervosismo e pela 'síndrome da palma suada' antes de cada uma delas. Qualquer um que me viu falar no PI Live em novembro do ano passado deve ter notado como eu me movia mais e mais para à direita do palco. Não, como talvez parecesse, para fazer uma saída mais rápida ao terminar, mas mais para olhar melhor para o monitor de conforto que tinham minhas notas, pois eu tinha medo de que eu esquecesse uma linha. 

O público tende a ser muito mais tolerante do que imaginamos. Carole Cadwalladr, a jornalista por trás da investigação do escândalo de Cambridge Analytica, escreveu sobre suas próprias trepidações antes de dar um discurso no TED sobre o assunto. "De pé nas asas esperando para continuar, eu disse à gerente de palco que meu coração estava correndo incontrolavelmente e em um ato de grande bondade, ela agarrou minhas mãos e me fez respirar respiração após respiração.

O relatório do Turn the Talk ajudou a colocar esta questão oficialmente no radar da indústria. Ao compreender formalmente que quase 90% dos entrevistados estariam dispostos receber treinamento de fala profissional e que 74% gostariam de ter mais oportunidades de falar em eventos, por conta disso, sabemos que há demanda por mais apoio e mais oportunidades.

Artigos Relacionados